Síntese protéica, como melhorá-lo combinando fontes

Um dos principais objetivos da maioria dos atletas é a de manter um fornecimento constante de aminoácidos para estimular a síntese proteica. Tanto os níveis de aminoácidos, como a síntese de proteína é determinada pelo tipo de proteína. Quando se comparam diferentes fontes de proteínas observa-se uma cinética diferente. No caso da proteína de WHEY, ocorre um pico de aminoácidos no plasma, cujo excesso enferruja e não ajuda a reter nitrogênio (a curto prazo). Para aqueles que não saibam o que significa o termo: No caso da caseína, os níveis de aminoácidos são mais constantes, chegando a durar até 7-8h, favorecendo uma maior retenção de aminoácidos [3]. Se lembrarmos o artigo sobre a síntese protéica, a leucina tem um papel muito importante nesse processo, onde as fontes de proteína com maior quantidade deste aminoácido têm um maior impacto. Não é de admirar, pois, que acrescentar leucina à uma proteína com um aminograma incompleto, como é o caso do cereal, ajude a transformá-la em uma proteína muito mais eficiente [4,5]. Isto leva à teoria de que o cruzamento de diferentes tipos de proteína, podemos obter uma proteína bastante eficaz a curto-médio prazo. Esta teoria é confirmada em ratos, onde se deu duas combinações de proteína de WHEY, caseína e proteína isolatada de soja em uma proporção 50:25:25 25:50:25, respectivamente. Observou-Se que os níveis de leucina alcançaram seu pico aos 90 minutos, mas foi o grupo da mistura 2 foi o que teve maior síntese proteica os 135min. Isto se deve, em minha opinião, a de que a liberação de aminoácidos por parte da caseína começa níveis de leucina estáveis, por isso que em um período curto de tempo, temos um pico de leucina por Whey, que se mantém por mais tempo graças à caseína. Sabemos que o excesso de leucina que não é usado para a síntese proteica é oxidado para dar lugar a outros aminoácidos (alanina ou a glutamina, daí o grande interesse de fornecer BCAAs pré ou intra-treino). Ao observar a leucina disponível para síntese proteica, observamos que a proteína WHEY é a rainha neste tema, já que a "disponibilidade" de ela nos primeiros 180 minutos de tomá-la é realmente alta. Posterior a isso, observamos que a caseína passado a concentrações mais elevadas de caseína. Esta é uma das razões pela qual a caseína retém maior quantidade de nitrogênio, mas dá lugar a uma menor síntese proteica. Em um ensaio duplo-cego (lembre-se que isto significa que nem os sujeitos do experimento, nem os pesquisadores sabiam que se dava a cada pessoa) se dividiu 17 sujeitos em dois grupos: Ambos os grupos teriam o mesmo elenco de macronutrientes: O total calórico varia de acordo com a pessoa, por isso que as calorias totais foram 12kcal/kg corporal. Os sujeitos tomariam o batido ao final do treino, onde se lhes tomaria biópsias musculares, tanto antes como depois de este, tal como mostro na imagem abaixo.