Obsesionarte por emagrecer, você vai engordar.

Quando falamos de sucesso na hora de perder gordura, a maioria das vezes nós nos concentramos em macronutrientes, calorias, número de refeições, nível de atividade... mas nos esquecemos de um fator fundamental: A mentalidade. Como eu sempre digo, até a pior das dietas nos faz emagrecer. Todos nós sabemos como perder gordura: Comer sem passar, de forma saudável e cheguemos mais Não obstante, continuamos repetindo essa mensagem dia-a-dia, esperando que a pessoa com excesso de peso diga "Nossa, isso sim que não sabia, então é como se perde gordura?". Mas, a realidade é bem diferente, somos cada vez mais obesos, temos mais problemas de saúde e nós gastamos muito mais dinheiro no tratamento, na prevenção. Aqui é onde um se pergunta o Que têm em comum a quase todas as pessoas que querem perder gordura? ESTRESSE Existem dois tipos de stress: Ao contrário do stress de fuga, o estresse emocional não liberada adrenalina, se não cortisol, que será a responsável de que aumente nossa gordura abdominal. Como podemos observar, o estresse vai produzir mudanças a nível do eixo HPA (Hipotálamo-Pituitária-Adrenal) que vai liberar adrenocorticotropina (NEUTRÓFILOS) que estimulará a saída de cortisol. Estes níveis mais altos de cortisol impedir o armazenamento de energia em seus adipócitos (células de gordura) e estimulando a saída de triglicerídeos por parte delas (1,2). Muitos vão pensar "Ótimo, meu corpo está liberando a gordura para usar, eu vou ser uma Fada com pernas". Grave erro, o cortisol também degradar a proteína muscular (3) para que os aminoácidos sejam liberados usados na conversão de glicose (em especial a alanina). Assim, temos que cada vez que se gera estresse, o corpo responde liberando cortisol, que estará na corrente sanguínea em torno de 2-3h. Uma pessoa estressada sofre esse processo, dia após dia. O problema que chega a cada vez que o nosso corpo lança este mecanismo (ou pelo consumo de glicocorticóides), onde o músculo vai atrofiándose. O mecanismo se torna cada vez menos eficiente e o corpo se cobra a sua "taxa", armazenando mais gordura. Como se isso fosse pouco, o estresse crônico vai fazer com que os nossos pré-adipócitos são diferenciados em adipócitos, assim, temos mais células onde armazenar a gordura. Você sabe onde irá acumular-se esta gordura? Pois a nível da região abdominal (gordura visceral) (4). Lembram-se da tarifa, que disse que se cobrava o organismo por estar respondendo a esse estresse continuamente? Pois aqui está. Esta exposição aos glicocorticóides fazem com que agora o nosso corpo armazene mais gordura, graças a níveis mais elevados de LPL (lipoproteinlipasa) uma enzima cujo papel é fundamental para nos tornarmos gordos (14). Este fato vai estar condicionado por outro, os efeitos do estresse: VONTADE DE COMIDA LIXO A minha teoria é que níveis elevados de cortisol dão lugar à resistência à insulina, por isso é normal que pessoas com stress tenham hiperinsulinemia (níveis elevados de insulina). Quando se dá este cenário, se daria um aumento da quantidade de calorias consumidas (6,7) devido a um maior desejo de comida alta em açúcar e gordura(8,9), que pode ser devido, em parte, a níveis mais elevados de hipotalâmico grelina durante o estresse (10). Acha que a pessoa que está em constante stress, repete-se o ciclo de ativar PULMÃO, libertar a SENSIBILIDADE e esta última estimular a saída de cortisol, por isso que os níveis de glicocorticóides, não desaparecem totalmente na corrente sanguínea, em resumo, a pessoa tem de fadiga e fome durante todo o dia. A resposta é simples: Relaxamento e acompanhamento profissional A seguir técnicas de relaxamento diminui os níveis de cortisol, tanto em pessoas de idade avançada ou em pessoas jovens como alunos (11). Até mesmo, em alguns estudos, mostram como a meditação ajuda a manter bons níveis de testosterona e hormônio de crescimento (12). Não há que esquecer que o hormônio de crescimento inibe a secreção de cortisol. O acompanhamento profissional a nível psicológico é fundamental, já que se tem observado que as pessoas que estão em terapia psicológica durante a dieta, perdem mais peso do que as que não, tal como mostra o seguinte estudo (13): Ele dividiu-se a um grupo de pessoas em 4 grupos: O resultado após 6 meses, foi o seguinte: Como você pode observar, as pessoas que estavam em terapia psicológica perderam mais peso do que as que não, independentemente da dieta que seguiam. É por isso que as pessoas que têm refúgio a nível emocional durante uma dieta de baixa caloria, são mais constantes e começa antes do seu objetivo, coisa que vemos dia-a-dia das pessoas que fazem musculação com algum companheiro. Em resumo, se o que deseja é perder esse "vagabundo" que te rodeia a cintura, o melhor é não ficar obcecado com o peso e evitar o estresse cotidiano influa em sua vida pessoal, seu organismo vai agradecer. S. Espinar